Redes‎ > ‎Redes 2014‎ > ‎

0867-2014 - Reflexão de toda a rede pública estadual sobre o conceito de SOCIEDADE INCLUSIVA.

postado em 27 de nov. de 2014 10:31 por Nit Piracicaba

DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO PIRACICABA 
REDE 




SOLICITADO: Supervisão/Núcleo Pedagógico
AUTORIZADO:Dirigente
TRANSMITIDO:Sueli
REDE:0867-2014
DATA:27/11/2014

Assunto: Reflexão de toda a rede pública estadual sobre o conceito de SOCIEDADE INCLUSIVA.


Senhores Diretores,


A fim de subsidiar a reflexão de toda a rede pública estadual sobre o conceito de sociedade inclusiva a CEGEB iniciou a publicação (quinzenal) de textos para uma ampla reflexão sobre o tema SOCIEDADE INCLUSIVA. Essa proposta se estenderá pelo ano de 2015, com vistas a promover a reflexão a respeito de questões relevantes que permeiam o cotidiano escolar. Devem ser objeto de estudo e discussão em todos os espaços onde ocorrem as trocas de experiências, os combinados e as propostas, que possam contribuir para a resolução dos conflitos do cotidiano escolar. Espera-se que essa ideia seja, paulatinamente, incorporada, entendida e implementada nas práticas pedagógicas, a partir dos textos abaixo e dos que seguirão:



TEXTO 1 - EDUCAÇÃO INCLUSIVA – NORMAS DE CONVIVÊNCIA

"A dificuldade da sociedade, incluindo os educadores, em entender e vivenciar o conceito de educação inclusiva, visto que, tradicionalmente, estamos imersos, produzindo e reproduzindo voluntaria e involuntariamente práticas excludentes, que geram um equivocado e injusto estranhamento em relação ao outro e, consequentemente, construindo uma sociedade mais conflituosa e perversa.

A partir da observação da prática defendida e executada, com o aval das comunidades escolares, de excluir alunos das escolas, por diversas maneiras ( inclusive por transferência compulsória), sem o direito de ampla defesa, por motivos, muitas vezes, duvidosos, urge que toda a rede pública se debruce, corajosamente, sobre o conceito de educação inclusiva, entendida como um movimento internacional político, econômico, social e pedagógico. Não se trata de mais uma proposta da SEE e sim uma forma exigida na contemporaneidade de perceber, de ser e estar no mundo. A educação do futuro obriga a identificação da origem da exclusão para alçar voos mais amplos, que atendam a real necessidade da sociedade atual".

A partir da leitura do trecho acima propomos uma reflexão coletiva a respeito do questionamento: Como as normas de convivência podem promover a inclusão de todos os alunos? Como podem permitir a exclusão?


TEXTO 2 - EDUCAÇÃO INCLUSIVA – DIREITO HUMANO

“É tempo de conscientização a respeito da existência de uma realidade diversa e complexa de educandos que frequentam a escola e, muitas vezes, como educadores sentimos que não estamos preparados para garantia do direito de todos à educação de qualidade. A escola, ao desenvolver sua função social deve levar em conta a diversidade e o direito irrestrito de todos os estudantes, na constante construção e reconstrução de saberes, a fim de possibilitar que novas significações sejam elaboradas. Como, então, educar para uma sociedade ‘inclusiva’?

Para isso temos que considerar a educação fundamentada em Direitos Humanos, como nos ensinam Barreiro; Faria & Santos (2011) [...] a educação, em sua finalidade fundamental, se refere ao objetivo de fazer crescer as pessoas em dignidade, autoconhecimento, autonomia, bem como no reconhecimento e na afirmação dos direitos (provenientes da percepção) da alteridade.” (CGEB, 2014)

A partir da leitura do trecho acima propomos uma reflexão coletiva a respeito do questionamento: Quais situações de aprendizagem inclusivas são postas em prática em sua escola, ao longo de sua trajetória, tendo em vista a definição de suas normas de convivência?




Atenciosamente, 

Comissão de Educação Especial 


De acordo 


Fábio Augusto Negreiros 
 Dirigente Regional de Ensino
Comments